quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Matéria-Prima especial



Matéria publicada no Jornal da Comunidade – Encarte Vip – Seção Gastronomia
Autor: ELTON PACHECO
epacheco@jornaldacomunidade.com.br
Semente de cumaru, azeite trufado, sal rosa do Himalaia são alguns produtos considerados gourmets e utilizados por chefes de cozinha do mundo inteiro. Saiba onde encontrá-los!

Os nomes, sozinhos, podem ainda soar estranho para a maioria das pessoas, mas pouco a pouco ganham lugar cativo na cozinha dos apreciadores da gastronomia. Eles não apenas agregam novos sabores aos pratos, como também tratam de dar uma repaginada em seu visual. Existe hoje uma infinidade desses produtos à disposição em lojas especializadas, que surgem nas grandes cidades e, até na internet, para atender ao público gourmet. Mas nem todo produto pode ser considerado como tal. Para ser gourmet é preciso ter qualidade, boa apresentação e autenticidade, segundo o chef Diego Koppe, do restaurante Babel. “Esses produtos não necessariamente agregam valor monetário ao prato, mas precisam trazer à tona o aspecto cultural e gastronômico. Para fazer uma comida maravilhosa, um bom chef se vira com o que tem, mas os produtos gourmets ajudam nesse processo criativo”, afirma. Ele mesmo utiliza alguns desses insumos em seu processo de criação, como a semente de cumaru e o licor de jambu, ambos do estado do Pará. Outros insumos exclusivos já podem ser adquiridos mais perto do que se imagina. 

O LaPalma (404 Norte e 413 Sul) é um empório muito similar aos antigos mercadinhos de bairro, porém, oferece em torno de 12 mil produtos gourmets, nacionais e importados. Azeites trufados, lâminas de ouro, cogumelos dos mais variados tipos, sal rosa do Himalaia e trufas negras são alguns dos produtos disponíveis ali. O empório completa, no ano que vem, 50 anos, e é hoje comandado pela terceira geração da família de Ichikichi Saito, que inaugurou o primeiro estabelecimento em 1964. Rogério Muniz Neto, à frente do estabelecimento, conta que o La Palma abastece, além das cozinhas dos brasilienses, o estoque de muitos restaurantes da cidade. “Francisco Ansiliero (do Dom Francisco), Simon Lau Cederholm (do Aquavit) sempre passam por aqui”, entrega ele. O produto mais caro da casa é a lâmina de ouro, que chega a custar R$ 250. Os preços, no entanto, agradam a todos os bolsos.  Outro empreendimento que também oferece produtos gourmets para seus clientes é a Belini Pães e Gastronomia, que oferece uma delicatéssen sofisticada para o público consumidor. São produtos em conservas, queijos, frios e uma primorosa seleção de mais de 20 tipos de azeites, dos tradicionais portugueses aos espanhóis e gregos. Destaque para o arroz negro, o açafrão espanhol, geléias francesas, manteigas ita- lianas e diversos tipos de queijos, como o Emmental suíço e o Grana Padano italiano.


GOURMET ON-LINE
Aqueles ingredientes que não são encontrados no supermercado e em lojas de conveniência, principalmente para quem mora longe das grandes capitais, ficaram mais acessíveis. Um dos maiores eventos de gastronomia do país, o Degusta Rio, lançou loja on-line de mesmo nome que coloca à disposição dos clientes produtos exclusivos, geral- mente conhecidos somente pelos gourmets. De acordo com Sonia Olival, criadora do site, existem hoje em estoque cerca de 500 produtos gourmets, prontos para entrega em todo o país. “Brasília é um mercado promissor. A cidade é habitada por bons gourmets que gostam de comer em casa”, afirma. A loja on-line oferece insumos exclusivos, como caviar iraniano, extrato de romã da Turquia, balsâmicos que chegam a ter 30 anos, entre outros. O extrato de romã, em especial, tem propriedades medicinais. É rico em oxidantes e contribui para o controle do mau colesterol e é bastante utilizado em sucos. No acervo on-line é revendido o exótico café de jacú, que, embora seja famoso, ainda é difícil encontrá-lo nos mercados convencionais. O grão é produzido logo ali, em uma fazenda do Espírito Santo, e são colhidos dos dejetos de uma ave de mesmo nome, que come os melhores frutos do cafeeiro, aqueles sem defeito e completamente maduros. A ave “jacú” é considerada uma ameaça para os cafeicultores, mas, de vilão, o bichinho passou a ser colaborador de pelo menos um produtor: o empresário Henrique Sloper, dono da fazenda. Ele resolveu transformar os dejetos em produto gourmet e, hoje, exporta para as melhores cafeterias do mundo. Os grãos chegam a ser vendidos por até  R$ 200. Pasmem!


Comentários deste Blogueiro
Gosto muito de comprar nos locais abaixo, além de freqüentar o La Palma:
- CEASAsegundas e quintas vendas no atacado. Sábados vendas no varejo.
- Tigrão da Asa Sul - CLS 409 – Tel 32425504
- Peixaria UEDA ou do Guará – ambas na Feira do Guará - Quinta a domingo, das 8h às 18h.