sábado, 7 de fevereiro de 2015

Suco de Uva - Parte I


Mais uma reportagem extraída através da curiosidade na diferença de Sucos, Néctar e Refresco. Com isso achei esta reportagem no site BonVivant, a qual transcrevo abaixo  nesta primeira postagem como uma introdução ao assunto, e, em, um segundo momento postarei  no dia 11 Fev 2015, as diferenças conforme a mesma reportagem.
Para reportagem completa, pois postei algumas partes, consulte o site, clicando AQUI.
Boa Leitura!


Os números não mentem: o suco de uva é a preferência nacional. Nos últimos três anos, os brasileiros despertaram o paladar para o real valor da bebida e o suco tornou-se o fenômeno do setor vitivinícola. No primeiro semestre deste ano, a comercialização de sucos naturais prontos para o consumo aumentou 43% em relação ao mesmo período do ano passado. Esse índice representa um incremento de 9,97 milhões de litros no período. Enquanto que os vinhos seguem estagnados, o suco de uva é a bebida do ano. Até dezembro a expectativa é atingir 70 milhões de litros comercializados. Em 2012, chegaram à mesa dos brasileiros 53 milhões de litros. As exportações também expandiram em 2013 com uma remessa de 1,78 milhão de litros líquidos de suco de uva concentrado e um aumento de 110,4% frente ao mesmo período do ano passado. O Japão é o principal comprador, representando 87,4% do volume total comercializado pelo país. No mês de agosto, numa viagem técnica, realizada pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), junto com 14 empresas, foram conhecidas as alternativas para envase de suco de uva nos Estados Unidos. “O Brasil já possui certa tradição na exportação de suco de uva concentrado e agora está trabalhando na consolidação dos destinos de exportação com a agregação de valor. Por outro lado, no suco pronto para consumo, os esforços comerciais são mais recentes. Apesar dos volumes serem pequenos, os resultados vem surpreendendo ano a ano”, aponta a diretora de Promoção do Ibravin, Andreia Gentilini Milan.

Conforme o Cadastro Vinícola, a comercialização de suco de uva cresce ano a ano, e a bebida já representa mais de 50% do destino das uvas comuns. Ou seja, mais da metade da produção das variedades americanas ou híbridas processadas são para a elaboração de suco. Esse salto ocorreu nos últimos quatro anos. “Se analisarmos os gráficos, entre 2006 a 2012, a produção triplicou. Ela foi 15,6 milhões de litros, em 2006, para 45,2 milhões em 2011. Até 2016, o Ibravin calcula um crescimento de 15% ao ano”, aponta o coordenador do Projeto 100% Suco de Uva do Brasil, Edgar Sinigaglia Júnior.
Circuitos de degustação, feiras, missões internacionais, palestras sobre os benefícios, congressos de saúde e eventos esportivos foram o destino da bebida neste ano. Mais de R$ 350 mil foram investidos pelo Projeto 100% Suco de uva do Brasil, no mercado interno e externo.
Tudo isso para promover a imagem e alavancar ainda mais as vendas do produto. No Brasil, o consumo per capita ainda é baixo se comparado a outros países. A média fica em torno de 4 litros per capita, enquanto que países como os Estados Unidos chega a 55,5 litros. O refrigerante continua sendo a bebida mais consumida (91,7 litros) pelos brasileiros. A boa notícia é que entre os sucos, o de uva, foi o sabor mais consumido em 2012. Por estado, São Paulo (25%), Rio Grande do Sul (16%) e Paraná (13%) são os três que detém a liderança no consumo da bebida. “Estamos trabalhando diretamente com alguns públicos, como formadores de opinião da área da saúde, para divulgar os benefícios do suco de uva. Hoje, se analisarmos a maior parte das bebidas há poucas alternativas saudáveis, a maioria com pouca fruta e presença de açúcar e sódio. E o suco 100% torna-se uma opção saudável e funcional”, afirma o coordenador do Projeto 100% Suco de Uva do Brasil.

Sabor do Brasil
O suco de uva é o sucesso do momento. Aliado da saúde, como comprovam as pesquisas, a bebida é a nova aposta de muitas vinícolas brasileiras, e um alívio para milhares de produtores de uvas americanas, que com o aumento das vendas de suco podem continuar investindo e cultivando essas variedades que antes eram destinadas, em grande parte, para a elaboração de vinhos de mesa.

No mercado, o consumidor tem à sua disposição diversas opções de suco de uva, seja branco, tinto ou rosé. Com o objetivo de conhecer alguns desses produtos, a Bon Vivant organizou no dia 14 de novembro uma degustação de suco de uva integral. A análise das 25 amostras, enviadas pelas vinícolas, aconteceu às cegas e envolveu dez degustadores, entre jornalistas, sommeliers, nutricionista, enólogo e consumidores.

 Antes da degustação, o enólogo Delto Garibaldi, proprietário do laboratório Lavin, de Flores da Cunha, local onde aconteceu a atividade, explicou sobre as variedades de uva utilizadas para a elaboração da bebida, como é feita e quais são as diferenças entre elas. Garibaldi também deu dicas de como analisar uma amostra de suco, quais são seus pontos positivos e os negativos.

Os resultados não poderiam ser melhores. A maioria das amostras conquistou altas pontuações, comprovando que o suco de uva brasileiro tem qualidade. Com uma ficha em mãos, cada degustador analisou o espumante e atribuiu pontuação de 1 a 5 para cada um dos aspectos: coloração, aroma, paladar  e apreciação global. Depois, a nota final de cada amostra foi calculada excluindo-se a maior e a menor nota do grupo. A nota publicada abaixo foi obtida a partir de uma tabela de equivalência.


Os degustadores
Delto Garibaldi, enólogo / Fabiano Provin, jornalista e sommelier / Eliziane Piroli: gerente administrativa da Editora Novo Ciclo e consumidora / Camila Baggio, jornalista / Assis Lavoratti, consumidor / Katherine Cecconello, nutricionista / Larissa Verdi, fotógrafa/ Danúbia Otobelli, jornalista e sommelier / Melissa Baron, consumidora / Melbys Nicola, jornalista cubana.

Conceitos e notas:
Um suco excelente: 91 a 100 pontos
Um suco muito bom:  86 a 90 pontos
Um suco bom: 75 a 85 pontos

Os mais pontuados
1. Hugo Pietro (Rosé): 97 pontos  / 2. Hugo Pietro: 95 pontos  / 3. Adega Casa de Madeira: 95 pontos / 4. Pietro Felice, Irmãos Molon: 95 pontos / 5. Da Casa, Orgânico, Cooperativa Garibaldi: 92 pontos / 6. Dom Eliseu: 92 pontos


1. Alto Monte, Don Guerino: 90 pontos / 2. Vinícola Salton: 90 pontos / 3. Mata Nativa, Agroindústria Gasparetto: 87 pontos / 4. Del Grano, Basso Vinhos e Espumantes: 87 pontos / 5. Casa de Bento, Cooperativa Aurora: 87 pontos / 6. Peterlongo: 87 pontos / 7. Quinta do Morgado, Fante: 85 pontos / 8. Gran Legado (com adição de água)  85 pontos / 9. Dal Pizzol, Do Lugar: 83 pontos / 10. Sociedade de Bebidas Mioranza:  82 pontos / 11. Monte Reale, Vinícola Monte Reale: 82 pontos / 12. Jota Pe, Vinícola Perini:82 pontos / 13. Tre Fradéi, Vinícola Valmarino: 80 pontos.



Brancos: 1. Hugo Pietro: 90 pontos / 2. Branco Peterlongo: 85 pontos / 3. Pietro Felice, Irmãos Molon: 85 pontos / 4. Jota Pe, Perini: 83 pontos / 5. Aurora, Cooperativa Aurora: 80 pontos / 6. Garibaldi Supreme, Cooperativa Garibaldi: 80 pontos